Management of secondary school education policies in Argentina

Ao longo da história da educação na Argentina, a escola tem sustentado suas políticas educacionais em uma estrutura institucional burocrática e racional orientada para servir os interesses de uma minoria. Hoje, as políticas de inclusão social e a sanção do ensino secundário obrigatório são apresenta...

Descripción completa

Detalles Bibliográficos
Autor principal: Vicente, María Eugenia
Formato: Articulo
Lenguaje:Inglés
Publicado: 2016
Materias:
Acceso en línea:http://sedici.unlp.edu.ar/handle/10915/88986
http://www.memoria.fahce.unlp.edu.ar/library?a=d&c=arti&d=Jpr8682
http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/872
Aporte de:SEDICI (UNLP) de Universidad Nacional de La Plata Ver origen
Descripción
Sumario:Ao longo da história da educação na Argentina, a escola tem sustentado suas políticas educacionais em uma estrutura institucional burocrática e racional orientada para servir os interesses de uma minoria. Hoje, as políticas de inclusão social e a sanção do ensino secundário obrigatório são apresentadas como uma oportunidade de democratizar a gestão das instituições de ensino secundária. Este artigo apresenta uma pesquisa empírica cujo objetivo principal é analisar as decisões e medidas tomadas pelos diretores de escolas públicas e privadas na Argentina, a fim de aplicar o mais recente Lei Nacional de Educação (LEN), que as sanções da escolaridade obrigatória do nível secundário. A metodologia é parte dos estudos da gestão da educação, que analisa qualitativamente as práticas educativas a partir de uma perspectiva institucional. Assim, a pesquisa usa fontes primárias, cuja técnica da construção os dados é da entrevista em profundidade. O objetivo da análise das entrevistas foi caracterizar as diferentes estratégias e práticas de gestão de inclusão social no nível secundário, através das dimensões: 1) O lugar de trajetórias sócio-educativas dos alunos nas propostas educacionais; 2) estratégias de retenção; 3) O lugar de aluno na construção de acordos e projetos educacionais; e 4) a relação entre a instituição e as famílias.