Desafios de uma cooperativa de mulheres produtoras de plantas medicinais em assentamento no interior de São Paulo, Brasil

A gestão coletiva está entre os principais desafios em grupos, associações ou outros empreendimentos econômicos solidários (EES). Essa experiência acompanhou entre 2014 e 2015, durante 12 meses um coletivo de mulheres produtoras de plantas medicinais. Localizada no interior de São Paulo, Brasil, é...

Descripción completa

Guardado en:
Detalles Bibliográficos
Autores principales: Silva, Anna Carolina Santana da, Camargo, Clara Ribeiro, Stamato, Beatriz, Apolinario, Patricia
Formato: Objeto de conferencia
Lenguaje:Portugués
Publicado: 2015
Materias:
Acceso en línea:http://sedici.unlp.edu.ar/handle/10915/55161
http://memoriasocla.agro.unlp.edu.ar/pdf/B5-489.pdf
Aporte de:
Descripción
Sumario:A gestão coletiva está entre os principais desafios em grupos, associações ou outros empreendimentos econômicos solidários (EES). Essa experiência acompanhou entre 2014 e 2015, durante 12 meses um coletivo de mulheres produtoras de plantas medicinais. Localizada no interior de São Paulo, Brasil, é composto por 32 mulheres e tem uma importante atuação no cenário de grupos feministas no país porém ainda encontram dificuldades na gestão e comercialização. O objetivo desse estudo foi investigar possíveis causas com o uso de diagnósticos participativos. Algumas hipóteses foram confirmadas como falta de governança coletiva de projetos e parcerias externos e foco na produção com pouca organização do trabalho para a comercialização. Por outro lado emergiu fatos não percebidos até então como a participação de cooperadas em espaços feministas da rede de agroecologia para empoderamento do trabalho trazendo acúmulos importantes para outras mulheres com relação gestão, feminismo e agroecologia.